A Semana Macro (29/03) – Juros, Assusta?

1840

A postura mais dura do BC na Selic não parece ter ajudado muito para aliviar as condições financeiras. Juros longos e câmbio seguem em alta. É seguro dizer que a piora da pandemia e da tensão política nas últimas semanas tem agravado os efeitos das questões econômicas nos prêmios de risco. Juros mais altos deveriam atrapalhar a recuperação econômica? Para este ano, acreditamos que não .Os riscos ficam muito mais por conta da pandemia e de uma deterioração ainda mais forte do cenário político. Seguimos construtivos com o crescimento.


Podemos dizer que a subida mais forte dos juros pelo BC surpreendeu o mercado duplamente. Em primeiro lugar, a decisão em si foi uma surpresa. Enquanto a maioria dos economistas (nós inclusos) esperava um ajuste  mais gradual na taxa Selic de 0.50% a.a, o Copom foi mais firme com 0.75%. Segundo o comitê, pesaram na decisão o cenário externo mais desafiador, a recuperação mais forte da atividade nos últimos meses (e portanto, menos capacidade ociosa), o risco da inflação deste ano acabar rompendo o teto da meta (5.25%) e uma possível desancoragem das expectativas de inflação de 2022 em diante. Ou seja, a ideia seria que subir os juros mais rapidamente em um primeiro momento serviria tanto para acelerar o efeito de juros mais altos na inflação deste ano quanto para demostrar redobrado comprometimento com as metas de longo prazo.

No linguajar de mercado, o BC estaria sendo “Hawkish”. A teoria econômica diz que em condições onde os juros estão muito baixos (como é o caso agora) esta postura traria suas consequências nos preços de mercado. Uma delas seria a de um “achatamento” da curva de juros. Ou seja, com perspectivas de juros mais altos no curto prazo, os mercados passariam a precificar menor necessidade de aumentos em horizontes mais longos. Outro efeito seria na taxa de câmbio: com uma postura mais dura nos juros normalmente vem a valorização da moeda.

No entanto, não foi isto que vimos após a decisão do Copom, e daí a segunda surpresa. Os juros e o câmbio até se comportaram como esperado no dia seguinte, mas não durou muito. A alta dos prêmios de risco voltou a dominar nos últimos dias. Nos juros, a curva precifica como praticamente certo um aumento de 1.0% da Selic na próxima reunião. Isto a despeito do próprio BC ter sinalizado explicitamente que pretende  aumentar em apenas 0.75% e que as coisas precisariam piorar significativamente para acelerar o passo. Os juros longos, por sua vez, estão próximos das máximas desde o início da pandemia. No câmbio, somos novamente a moeda emergente com pior desempenho este ano. O stress não é pequeno.

Gráfico 1: Valorização das moedas emergentes em 2021 (%)

Fonte: Bloomberg

Parece claro que as causas da volatilidade vão além dos aspectos estritamente econômicos apontados pelo BC. Subida de juros nos EUA, atividade mais forte por aqui e números mais salgados de inflação certamente importam mas não deveriam justificar tamanho descolamento dos prêmios de risco em relação a outros países emergentes. Neste caso, é seguro dizer que a piora da pandemia e da tensão política nas últimas semanas tem agravado os efeitos das questões econômicas nos prêmios de risco.

Sobre o cenário econômico, não temos muito o que discordar em relação à visão consensual,  exceto pelo crescimento deste ano. Seguimos mais otimistas. No curto prazo esperamos um impacto relativamente menor do isolamento na atividade econômica. Nossas estimativas em tempo real para o PIB do 1º trimestre ainda apontam crescimento na margem, muito ajudado pelos investimentos e o setor industrial. Para o 2º tri certamente haverá contração no PIB, mas acreditamos em uma forte retomada da atividade a partir de maio ou junho com a intensificação da vacinação e seu efeito nas curvas de hospitalizações e óbitos. Além disso, nossa impressão é de que a maioria dos economistas tem dado peso relativamente pequeno ao efeito positivo da aceleração da economia mundial no crescimento interno. Hoje nossa projeção para o PIB deste ano está em 4.2%, ante 3.2% no relatório Focus. Na verdade, com mais segurança sobre a melhora da pandemia estaríamos tentados a esperar um crescimento ainda maior.

Juros mais altos deveriam atrapalhar a recuperação econômica? Depende de qual horizonte estamos falando e do que entendemos como “altos”. Para este ano, dificilmente uma subida mais forte de juros teria tempo para atrapalhar a atividade. Os riscos para o crescimento ficam muito mais por conta da pandemia (vacinas se mostrarem ineficazes para novas cepas, por exemplo) e de uma deterioração ainda mais forte do cenário político. Para 2022, juros de 6% ou 7% ainda seriam considerados baixos historicamente e não deveriam atrapalhar muito a recuperação. Novamente, o risco fica com o cenário político.








Disclaimer: As opiniões, análises e informações contidas nesse artigo não constituem recomendação de investimento, nem tampouco material de oferta para subscrição, compra ou venda de títulos ou valores mobiliários, instrumentos financeiros, cotas em fundos de investimento ou qualquer produto ou serviço de investimentos. Declarações contidas neste artigo relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros, bem como referências ao potencial de crescimento das companhias citadas, constituem meras previsões, baseadas nas expectativas do analista responsável em relação ao futuro. Essas expectativas são altamente dependentes de fatores incertos, como o comportamento do mercado, da situação econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais. Portanto, cada declaração aqui escrita está sujeita a mudanças, e não deve ser utilizada como insumo para qualquer estratégia de investimento pessoal ou institucional. A Versa Gestora de Recursos Ltda., seus sócios e colaboradores, por meio dos fundos de investimentos da casa, podem ou não estarem posicionados em títulos e valores mobiliários de emissores aqui mencionados, de forma que eventualmente influencie nas opiniões e análises aqui presentes.