A Semana Macro (11/05) – Chegamos a um Limite nos Juros?

1112

A semana foi novamente marcada por forte volatilidade da taxa de câmbio, com o real atingindo os R$5.85/US$ na quinta-feira. Interessante notar que tal depreciação destoou de outros mercados mundo afora. De fato, boa parte das bolsas subiram e as principais moedas emergentes se valorizaram, refletindo um ambiente global mais benigno.

Gráfico 1: Valorização(+)/(-) de moedas emergentes na semana (%)

Fonte: Bloomberg e Versa Asset

Ficou realmente difícil explicar a fraqueza do real ao olharmos o comportamento de outros indicadores. Como explicamos na semana passada, há algumas variáveis “chave” fortemente correlacionadas com a taxa de câmbio ao longo do tempo. Entre elas estão os preços das commodities, o risco brasil (CDS), os juros americanos e o comportamento global do dólar. Nenhuma destas, no entanto, mostrou deterioração ao longo da semana que pudesse explicar a desvalorização do real.

Ao colocarmos todas estas variáveis na conta, nosso modelo de câmbio “justo” ficou parado na casa dos 4.95 enquanto a taxa realizada média na semana subiu para os 5.68. Como podemos ver no gráfico abaixo, o descolamento entre as duas, que já vinha se intensificando nos últimos meses, aumentou ainda mais. De onde viriam esses 70 centavos que o modelo não consegue explicar?

Gráfico 2: Taxa de câmbio R$/US$ – modelo vs. realizado

Fonte: Versa Asset

Como também argumentamos na semana anterior, acreditamos que os cortes de juros tenham papel preponderante nesta dinâmica de depreciação cambial. Neste sentido, a decisão do Copom na última quarta-feira apenas aprofundou tal movimento. De fato, a decisão foi vista com surpresa pela maior parte dos economistas. Além de cortar a Selic em 0.75% (quando o mercado esperava 0.50%), o comitê sinalizou sua intenção de cortar outros 0.75% na reunião de junho, o que levaria a taxa a um nível historicamente baixo de 2.25%.

Além do comportamento do câmbio, a própria curva de juros também chamou a atenção. No jargão de mercado, ela “empinou”. Ou seja, enquanto os juros embutidos nos contratos mais curtos caíram, o mesmo não aconteceu nas maturidades mais longas. A interpretação simples é de que os cortes mais agressivos da Selic teriam vida curta e que logo em seguida o Banco Central precisaria subir os juros novamente. Na sexta-feira, a curva precificava um corte adicional de aproximadamente 0.5%, seguidos de um total de 2.75% em aumentos até o fim de 2021.

Gráfico 3: Curva de juros DI (%a.a.)

Fonte: Bloomberg e Versa Asset

Pra quem acompanha a discussão nos jornais e no Twitter, já deve ter percebido que as opiniões sobre cortes de juros neste momento se dividem bastante. De um lado, estão aqueles que dão relativamente mais peso às metas de inflação e que acreditam que juros mais baixos ainda tem papel relevante em mitigar os efeitos da crise. De outro lado – nós inclusos – estão os mais preocupados com os sinais que os mercados de câmbio e de juros longos podem estar dando acerca dos fundamentos econômicos para corte de juros. Segundo essa visão, estes seriam sinais de que a taxa de juros já caiu demais e que cortes adicionais, portanto, seriam contraproducentes para estimular a economia. Vale notar que no último mês o próprio BC flertou com estas duas visões distintas. Começou mais cauteloso, e terminou mais agressivo sobre corte de juros.

Seguindo esta ideia, vale examinarmos como nossa taxa de juros se compara com a de outros países emergentes e qual a relação destas com o perfil de risco de cada país. O gráfico abaixo mostra as taxas de juros ante o CDS spread de 5 anos para 17 países emergentes. Como seria de se esperar, há uma relação positiva entre juros e risco de cada país. Quanto mais arriscado é o país, mais alta é sua taxa de juros de “equilíbrio”. Vemos certo descolamento do Brasil em relação aos outros países. Enquanto temos o 3º pior CDS, os juros são mais baixos do que em boa parte dos países com risco inclusive menor que o brasileiro. Caso a Selic caia para os 2.25% sinalizados pelo Copom, nos distanciaríamos ainda mais do padrão.

Gráfico 4: Taxa de juros Vs. CDS spread – países emergentes

Fonte: Bloomberg e Versa Asset

De maneira alternativa, podemos examinar a mesma relação através das classificações das agências de risco para cada país. Chegamos a mesma conclusão: vários países com melhor rating possuem juros mais elevados do que os do Brasil.

Gráfico 5: Taxa de juros Vs. ratings soberanos – países emergentes

Fonte: Bloomberg, Standard & Poors e Versa Asset

Dito isto, notemos que os gráficos acima dão conta apenas dos juros nominais, ou seja, não consideram a dinâmica de inflação de cada país. Como sabemos, o IPCA está em baixa, o que ajudaria no corte de juros por aqui. Por outro lado, também vale lembrar que a queda dos preços pelo covid não é exclusividade do Brasil. Todos os países do mundo estão vendo suas taxas de inflação colapsarem no curto prazo devido à retração da demanda. Na verdade, a queda da inflação no Brasil deve ser mais tímida do que nos outros países visto que nossa moeda foi a que mais se desvalorizou este ano. Ou seja, a inflação em baixa parece não explicar totalmente nosso descolamento em relação a outros países. Neste sentido, seguimos relativamente céticos sobre cortes significativos de juros daqui em diante, sob o risco de que o câmbio continue se depreciando e atrapalhe a recuperação econômica este ano.

Disclaimer: As opiniões, análises e informações contidas nesse artigo não constituem recomendação de investimento, nem tampouco material de oferta para subscrição, compra ou venda de títulos ou valores mobiliários, instrumentos financeiros, cotas em fundos de investimento ou qualquer produto ou serviço de investimentos. Declarações contidas neste artigo relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros, bem como referências ao potencial de crescimento das companhias citadas, constituem meras previsões, baseadas nas expectativas do analista responsável em relação ao futuro. Essas expectativas são altamente dependentes de fatores incertos, como o comportamento do mercado, da situação econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais. Portanto, cada declaração aqui escrita está sujeita a mudanças, e não deve ser utilizada como insumo para qualquer estratégia de investimento pessoal ou institucional. A Versa Gestora de Recursos Ltda., seus sócios e colaboradores, por meio dos fundos de investimentos da casa, podem ou não estarem posicionados em títulos e valores mobiliários de emissores aqui mencionados, de forma que eventualmente influencie nas opiniões e análises aqui presentes.